8 lições que a série The Walking Dead tem a ensinar aos gestores e profissionais de TI!

Se você ainda não teve a oportunidade ou não se animou para assistir a sensacional série The Walking Dead por achar ser mais uma série clichê que retrata mais um enfadonho cenário pós-apocalíptico repleto de zumbis, está completamente enganado(a).

A série vai muito além disso e a história parte do mundo infestado de zumbis, com ninguém sabendo como, nem por quê, restando à turma tentar sobreviver como der.

Imagine você no lugar deles, tudo estava no bem bom segundos atrás e em algum momento “bum”, agora, largado(a) em um ambiente tornado extremamente hostil, tendo de se virar “nos 30” por conta, like a rolling stone.

Imagine, mas imagine mesmo. Desesperador, não? Pois então: em The Walking Dead é assim. De repente, toda a zona de conforto e segurança se desfez. E resta apenas a seguinte pergunta: E agora, José?

Basicamente, estratégia é a principal característica dos sobreviventes do apocalipse zumbi.

Após terem que reaprender a viver em um mundo totalmente diferente do paraíso burguês que viviam, a lidarem com constantes dificuldades, conviver com pessoas de personalidades e habilidades diferentes, nossos heróis seguem sobrevivendo e nos ensinando valiosas lições.

Sim, não é apenas entretenimento, temos muito o que aprender com a série, que mais uma vez frisamos; não é apenas sobre um mundo cercado de zumbis.

É sobre questões humanas mais profundas e também sobre enfrentar problemas e pensar em soluções.

Confira 8 lições que The Walking Dead tem a ensinar aos gestores e profissionais de TI, prometemos que vamos fazer o possível para não fazer spoiler:

Trabalho em equipe

Para passar pelas dificuldades e conseguir alcançar as metas, o trabalho em equipe se tornou essencial na série.

Os personagens passam em todos as temporadas por situações complicadas que só são resolvidas com o trabalho em equipe e a dedicação de cada um pelo time. Cada pessoa com a sua habilidade e experiência, auxilia o grupo.

E é desta forma que funciona na vida profissional. Boa parte do resultado de uma estratégia é a colaboração e o aprendizado da equipe.

Não importa quem você é, o quão esperto(a) é, acredite, sozinho você sempre será e estará mais fraco.

Até mesmo alguns personagens “badass” da série como a Michonne por exemplo, se desenvolveram melhor e sentiram-se mais seguros quando entraram para o grupo de Rick Grimes o “mocinho” da trama.

Ter a ajuda de seus companheiros é fundamental para sobreviver, seja agora ou em um mundo infestado por zumbis.

Há sempre aquela pessoa que diz “eu trabalho melhor sozinho“, mas se no mundo atual esse tipo de atitude já causa algumas boas limitações, imagine em um mundo apocalíptico repleto de caminhantes infectados.

O trabalho em equipe se torna mais ágil e melhora a qualidade do código, tanto do projeto, como do indivíduo, já que todos sempre aprendem algo novo com os membros do time.

E verdade seja dita, o desenvolvimento da pessoa que trabalha em equipe é muito mais acelerado do que daqueles que trabalham sozinhos.

Análise e planejamento

Analisar o ambiente, saber qual será o próximo passo é o que mais acontece na série. Os personagens precisam planejar o que farão a seguir. Desde buscar por um novo abrigo, procurar por mantimentos ou remédio é planejado pela equipe da série!

E como sabemos, o planejamento é o primeiro passo para qualquer ação estratégica. Planejar é essencial e não existe estratégia sem planejamento!

Liderança

O personagem Rick Grimes (um dos melhores anti-heróis da ficção) é sinônimo de liderança!

Como líder do grupo, ele quem toma a iniciativa na maioria das vezes e, como todo bom líder, escuta a opinião dos demais.

Para qualquer tomada de ação precisamos de um condutor, não para nos levar diretamente ao caminho, mas para orientar a fazer o correto ou ao menos, o que realmente tem de ser feito.

Conhecer as pessoas com que se relaciona

Atualmente a série está em sua sétima temporada e entre muitos acontecimentos, muitas pessoas apareceram, algumas permanecem (por enquanto), outras foram morreram, outras tantas foram inimigas e outras de confiança.

O importante de tudo é que os personagens sempre buscam conhecer as pessoas ao redor e saber quais são as suas intenções ou ideais em relação ao grupo.

E essa dica em especial é para o pessoal do suporte, uma vez que lida diretamente com o público.

Analisar e conhecer as pessoas com quem sua empresa se relaciona é essencial, sua empresa precisa conhecer bem o perfil de seus usuários.

Ter um histórico de suas requisições, ter uma boa base de conhecimento facilitará inclusive na hora de criar estratégias de retenção direcionadas.

Uma arma para cada situação: usar as armas certas

Seja para enfrentar uma horda de zumbis, o vilão da temporada, outros grupos rivais, ou seja qual for à situação, a equipe sempre pensa nas armas necessárias para estar equipada para a batalha.

No processo de suporte, atendimento ao cliente o mesmo acontece, precisamos nos preparar com as ferramentas ideais.

Com Milldesk por exemplo, seu atendimento ganha agilidade, organização de informações, capacidade de mensuração e geração de relatórios gerenciais.

Tudo isso propicia mais satisfação ao cliente, mais capacidade de decisão e gestão e o melhor: economias de tempo e dinheiro.

Devemos nos adaptar a qualquer situação

Como sempre, ninguém estava preparado para essa realidade brutal e se adaptar à nova vida foi inevitável e preciso.

Sem sombra de dúvidas, a força e a inteligência ajudam muito, mas em situações extremas, a capacidade de adaptação é extremamente decisiva.

Por exemplo, na atual temporada (sétima), Rick e os demais lidarão com a presença do brutal Negan e sua gangue “Os Salvadores”, mas não é de hoje que eles tem de lidar com o imprevisível.

Durante toda a série vemos que a sobrevivência, individual e coletiva, exige adaptação a mudanças incessantes na forma de pensar e de se defender.

E no mundo da TI não é lá muito diferente, não é verdade? Afinal os imprevistos sempre acontecerão; seja novos bugs em um software, seja atualizações de segurança, seja configurações obsoletas, etc, e saber gerir e lidar com esses acontecimentos e as mudanças, obrigam todos adaptar-se.

Em certos casos, dependendo do ocorrido, pode ser que o tempo para adaptar seja curto e a não adaptação possa comprometer a vida do sistema de alguma maneira.

A segurança é uma ilusão

Uma prisão ou, até mesmo uma cidade fortificada, passam certa segurança quanto a quem entra e quem sai, mas uma das maiores lições de The Walking Dead é que, por mais que pareça, não há lugar totalmente salvo, seguro.

Você pode tentar proteger uma pessoa de tudo e de todos, mas sabemos que essa sensação de segurança não é real.

A proteção pode até meses ou mesmo anos, porém, ela pode deixar de existir em segundos e o mesmo pode acontecer com sua estrutura de TI ou seu software.

Não adianta você desenvolvê-lo hoje e dizer que está bom, seguro, e nunca mais encostar nele.

No mundo da tecnologia existem atualizações constantes e falhas são detectadas diariamente. A sua aplicação pode estar “Ok”, mas uma vulnerabilidade no sistema operacional ou na linguagem por exemplo, pode fragilizar sua aplicação e deixá-la vulnerável.

A melhor prática para se manter seguro é atualizar constantemente sua aplicação, monitorando-a para detectar eventuais falhas.

Sempre haverá mortos

Sem incorrer em spoilers, mas é fato; a cada nova temporada alguém da equipe sempre morre (já fica a dica: não se apegue a personagens), porém a equipe continua a seguir em frente.

Em nosso lida diária com tecnologia, suporte, bancos de dados, infra, etc, sempre encontraremos complicações, reclamações dos usuários, no entanto, se tivermos um bom plano e reagirmos rapidamente, resolver o incidente com prontidão, obteremos o maior êxito possível.

E entre mortos e feridos, continuaremos a prestar nossos serviços nesse mercado tão ágil e competitivo.

Dá próxima vez que assistir The Walking Dead, temos certeza que você verá mais do que apenas um mundo apocalíptico repleto de zumbis! 😉