Caçadores de um bom suporte ao cliente: o que Pokémon Go tem a nos ensinar sobre atendimento!

Vez ou outra nos deparamos com verdadeiros fenômenos mercadológicos, esse por exemplo é o caso do tão aclamado Pokémon GO.

E não é para menos tanto frenesi, afinal o aplicativo conseguiu capitalizar absolutamente todas as frentes que um negócio de sucesso deve ter: experiência do usuário, adoção, monetização e potencial de crescimento.

O app basicamente, coloca os jogadores em um ambiente de realidade expandida onde são capazes de capturarem pokémons no mundo real.

Desde o seu lançamento, o jogo, simplesmente já ultrapassou aplicativos como o Tinder, Snapchat e o Google Maps em instalações, com muitos milhões de usuários ativos diariamente.

Através do jogo de realidade aumentada, o usuário se torna um “treinador” de monstrinhos, que podem ser visualizados na tela do celular.

O cenário do jogo é a realidade capturada pela câmera do aparelho, o que aumenta a sensação de verossimilhança. Conectado ao Google Maps, o jogador deve se locomover pela cidade para “caçar” as criaturinhas.

E com certeza você já deve ter se deparado em algum momento com apenas um “caçador” ou até mesmo com uma horda de “caçadores” atrás de algum Snorlax, por exemplo…

Mas Pokémon Go vai além da diversão e tem muito a ensinar para as empresas de TI no que diz respeito ao suporte, duvida?

Com os seus mais de 10 milhões de ganhos diários, o aplicativo fornece uma oportunidade para as empresas adquirirem uma compreensão mais profunda da mente dos usuários, que pode por sua vez, ser utilizada para melhorar as relações com a sua própria base de clientes.

Afinal, o jogo nada mais é que uma aplicação prática da realidade aumentada, que está fomentando a proliferação e popularização de aplicações para smartphones baseados na geolocalização.

E qual a relação disso tudo com as empresas de TI? Acompanhe…

A mobilidade se tornou inevitável: os usuários estão dando o passo definitivo rumo ao móvel.

Basta uma caminhada pelas ruas do seu bairro para se deparar com alguns grupos indo à caça dos “monstrinhos”, com seus dispositivos móveis.

Podemos pensar que essas práticas são isoladas, mas os números não mentem, segundo o instituto de pesquisas Ibope Nielsen só no Brasil mais de 68 milhões de pessoas usam internet pelo smartphone, o que em termos práticos representa um grande salto para o mobile (confira a pesquisa).

E as empresas que querem realmente alcançar seus clientes/usuários deveriam seguir esse exemplo. Como? Assegure-se de oferecer mobilidade no suporte ao seu cliente, simples assim!

Otimize seu website, utilize uma ferramenta que possibilite por exemplo, que sua equipe acompanhe os chamados em uma reunião com o cliente, em trânsito e que seu cliente possa receber suporte mesmo não estando à frente de um computador, via smartphone.

O suporte tem de estar disponível em qualquer momento e lugar.

Pokémon Go é um grande exemplo de como se deveria estruturar uma interação entre o universo online e o offline, para oferecer uma ótima experiência ao cliente.

A popularização da realidade aumentada vem para tornar cada vez mais tênue a linha que separa os universos on e off…

E a realidade aumentada chegou para melhorar a experiência dos consumidores, usuários e aportar valor agregado às empresas e seus produtos.

Obviamente que dentro das possibilidades de cada companhia, das possibilidades do seu negócio, a implantação dessa tecnologia repercutirá de modo positivo na estratégia global da empresa: afinal, um cliente cativado atua como um grande divulgador da marca.

Cabe a cada organização perguntar a si de que maneira poderá transformar a aplicação da realidade aumentada ao seu atendimento ao cliente.

Nos dias atuais os avatares virtuais e os chats são ferramentas muito eficazes na hora de oferecer suporte ao cliente, justamente por se adaptarem às reais necessidades de cada tipo de negócio.

Mas a verdade é que compete à cada empresa desenhar experiências personalizadas e adaptadas à realidade do seu negócio e dos seus usuários.

E aí cabe a criatividade para tornar a experiência do suporte ainda mais interessante e tornar mais significativa a satisfação do cliente.

Integração é vital.

O Pokémon Go não funciona como uma aplicação independente.

Como já mencionado, o jogo utiliza o GPS do Google Maps para criar um mapa digital com o qual se podem estabelecer paradas com determinados prêmios para que os usuários possam interagir com as marcas.

Quanto mais inclusivo e integrado é o suporte oferecido pela sua empresa, mais satisfatória será a experiência de seus clientes.

Usuários autônomos com direito de escolha, isso é bom.

O jogo oferece aos usuários a oportunidade de jogarem sozinhos ou interagir com os demais…

Podem escolher entre sair e caçar Pokémons como “lobos solitários” ou encontrar outros usuários para colocar à prova suas habilidades de treinador Pokémon no campo de batalha.

Do mesmo modo um centro de suporte deve oferecer opções de autosserviço de última geração, como por exemplo uma boa base de conhecimento, mas também, estar preparado para que os clientes possam contatar um agente de suporte a qualquer momento.

Sem sombra de dúvidas, Pokémon Go será o pontapé inicial para a proliferação de novas aplicações empresariais e de tecnologia de consumo emergentes.

Embora a gamificação associada à interação com as marcas não seja algo novo, o aplicativo Pokémon Go é definitivamente nos dias atuais, uma demonstração de todo o potencial da realidade aumentada para as marcas e do uso da inteligência artificial para fidelizar o consumidor.

Vamos jogar?