Direto do RH para TI: alta rotatividade de colaboradores em sua empresa? 5 coisas que você pode estar fazendo errado!

Pra começar já iniciamos partindo do princípio que sua empresa paga bem seus funcionários, os remunera com justiça, básico.

Isso porque a empresa pagar bem, se esforçar para oferecer um bom pacote de benefícios, trabalhar com tecnologia de ponta, não será suficiente (especialmente tratando-se da geração Y) se o líder da equipe não der o devido suporte, respaldo aos seus subordinados.

É notório que no setor de Tecnologia da Informação há bastante falta de profissionais qualificados, mais crítica ainda é a baixa retenção dos talentos, não somente para se diferenciar no mercado, mas antes mesmo por uma questão de sobrevivência.

E é cômodo culpar o funcionário, taxando-o mercenário por aceitar outra oferta de emprego, de ter visão limitada, que só pensa em dinheiro etc.

Nada mais fácil que empurrar toda a culpa para o profissional que deixou a empresa e para o mercado de trabalho, que tem lá suas limitações em termos de mão de obra.

Mas e quando voltar a acontecer de novo e de novo, qual será a desculpa?

Conheça pelo menos 5 atitudes negativas de gestores de equipe que minam a motivação dos funcionários e contribuem para o baixo resultado e alta rotatividade da equipe:

Ditadura é quando os outros mandam, democracia é quando eu mando.

A maior parte das pessoas gostaria de ter algum grau de autonomia no trabalho. A microgestão, dizer em detalhes como cada tarefa tem de ser cumprida, impede esta autonomia.

A impressão que passa é que o gestor vê seu subordinado como incompetente e incapaz de tomar decisões. Algo bem diferente de delegar.

Críticas em público e em alto e bom tom.

Se você vai criticar algo, faça isso em particular. Criticar publicamente inclui gritar tão alto que toda a equipe pode ouvir mesmo quando a porta de sua sala está fechada – e uma atitude como essa é certamente desmotivante não só para o criticado, mas também para seus subordinados.

Metas inatingíveis

Muitos gestores acreditam que, sem prazos, as pessoas relaxam e perdem tempo. Afirmam que é preciso trabalhar em todo o tempo disponível e que os profissionais têm de ser pressionados para dar tudo de si.

A maioria das pessoas vai fazer de tudo para alcançar uma meta viável. Mas, se achar que aquilo é impossível, a motivação simplesmente some.

Não dar ouvidos à equipe

Um gestor pergunta à equipe quanto tempo é necessário para fazer algo. E, então, diz que aquele prazo é muito extenso e o corta pela metade.

A equipe foi desmotivada três vezes: primeiro com um prazo inatingível, segundo teve seu julgamento profissional ignorado e terceiro foi ridicularizada publicamente. Eles estarão mais motivados a provar que o gestor está errado do que para cumprir a meta proposta.

Empecilhos na tomada de decisões

Não deixa de ter relação com a questão da microgestão, mas tem uma ligação mais direta com o excesso de burocracia interna.

Dezenas de assinaturas e de formulários e demoras para aprovações não apenas atrasam o trabalho, mas fazem as pessoas entenderem que não são capazes de tomarem decisões sozinhas.

Obviamente que esta lista pode ser mais extensa, mas é bem provável que, se focarmos somente nestes problemas, teremos uma boa redução no problema de falta de motivação no trabalho e alta rotatividade no setor de TI.

A chave é delegar, acreditar nos talentos escolhidos por você, confiar na sua equipe!