O que o futebol arte tem a ver com a gestão de pessoas na TI?

Que o futebol é uma das grandes paixões dos brasileiros, disso ninguém tem dúvidas, mesmo depois do vexaminoso 7×1 contra a Alemanha o amor por essa nobre arte continua forte.

E verdade seja dita, até mesmo quem não gosta, acaba sofrendo algum tipo de influência desse esporte em alguma época da vida, por exemplo, em época de Copa do Mundo, é público e notório que o Brasil para tudo para ver a nossa seleção jogar!

Mas toda essa paixão não é por menos, afinal, diferente de outros esportes como o basquete, vôlei, por exemplo, é quase impossível que um time mais fraco vença o mais forte, já no futebol é possível ver isso acontecer com uma certa frequência (tá só não valeu contra a Alemanha).

A competitividade que o futebol pode propiciar deixa o esporte ainda mais emocionante, os clássicos do futebol são algo único no mundo do esporte e muitas vezes a vitória sobre um rival clássico é mais importante do que um título.

Outro fator que torna o futebol tão apaixonante é que um esporte extremamente simples, você poder jogar em qualquer lugar, seja no campo, na quadra ou na rua.

E não necessariamente você precisar ter uma bola para praticá-lo, muitas vezes, ter um objeto que dê para ser chutado basta.

A boa e velha pelada faz parte da vida de muitas pessoas ao redor do mundo.

E a festa (e também a baderna, infelizmente) que cada torcida faz nos jogos de seus respectivos clubes apenas confirmam o quanto o ele é apaixonante.

Quem já teve a chance de ir a um estádio em dia de clássico sabe do que estamos falando, ver o local repleto de pessoas faz o coração bater mais forte, a adrenalina aumenta e tudo se transforma em uma sensação que não dá para ser sentida em outros momentos da vida.

Você já parou para refletir sobre o quanto seria bom ter em sua equipe de trabalho pessoas tão comprometidas como são quando estão torcendo por seus times?

Afinal nunca se ouviu falar de ex-torcedor, não é mesmo? Mas ex-funcionário e ex-cliente, ixi… Como bem sabemos gerenciar pessoas é, praticamente, uma arte.

Quanto melhor forem as pessoas que trabalham para você, mais atenção você deverá ter com acontecimentos que possam impulsionar ou acabar com a produtividade do seu time.

Por isso separamos algumas lições que o futebol nos dá sobre gestão de equipes, especialmente para gestores de TI e de centrais de atendimento, mas que outras áreas também podem aproveitar com toda certeza!

Ah, moleque, liderança na veia!

Técnicos de futebol fazem e contribuem como exemplo na questão de gestão de equipes, pois, esse profissional precisa ser completo, não basta entender de esquemas táticos, tem de ter muita inteligência emocional!

Sejam as tabelas de campeonatos ou perfil de clubes, uma das tarefas mais importantes do técnico de futebol é a sua capacidade de liderar equipe.

Os jogadores, muitas vezes, são profissionais que ganham cinco ou 10 vezes mais que o líder deles recebe, que precisa ter um forte conceito de hierarquia e integração com os outros colegas.

Liderar 22 ou até mesmo 30 estrelas de um time é um desafio, afinal é muita badalação e bajulação ao redor desses craques e aja psicologia para lidar com tantos egos.

Assim como os técnicos de futebol você tem de lidar com pessoas e todos são diferentes individualmente, acabando o jogo cada um vai pra um lado, o mesmo valendo para seus subordinados.

Mas, dentro de campo, todos devem ser amigos e estar unidos em prol de um objetivo comum!

E aí surgem as perguntas que não querem calar: como criar um sentimento de equipe? como liderar estrelas? Como implementar a cultura de disciplina, dedicação e humildade?

Todas, questões essenciais para um técnico formar uma equipe unida e, mais do que isso, focada em ser campeã!

E o que isso tem a ver com sua realidade? Muita coisa, pois, você também tem o grande desafio de liderar pessoas, fazer com que todas entendam a importância do seu papel na empresa e na busca por resultados satisfatórios, não é mesmo?

Sinceramente, temos muito que apreender com os técnicos de futebol, pois eles são líderes que sofrem muita pressão e precisam gerar resultado o tempo todo e motivar seus jogadores todos os dias.

Propicie um ambiente transparente, e de muita confiança, não tenha segredos com sua equipe.

Um grupo unido, focado no objetivo principal, precisa de um ambiente de confiança mútua, transparente.

Isso vale tanto para o futebol, como para a sua empresa.

Caso aquele craque tem algum tipo de ‘regalia’, ele só tem aquilo graças ao seu mérito, graças ao seu esforço e isso tem de ficar bem claro, para aquele menino que ascendeu das categorias de base, bem como, para os demais.

E o mesmo vale para a realidade de sua empresa, para a gestão de sua equipe.

Seja em um jogo de futebol, seja no dia a dia de um negócio, a relação fundamental de confiança é entre os que precisam trabalhar em grupo e eles não precisam necessariamente gostar uns dos outros, mas precisam confiar no trabalho dos colegas.

É preciso esclarecer a filosofia do clube/empresa.

Na mesma linha, todos devem saber claramente quais são as regras, simples assim!

Tal como o jogador que vem pra uma nova equipe precisa saber como as coisas funcionam dentro da agremiação, o funcionário deve estar ciente da visão, missão e de como as coisas funcionam na organização.

A empresa ou o clube devem estar sempre acima de quem trabalha nela, só assim se consegue o sucesso.

Promova um rodízio e reais possibilidades de ascensão.

Embora envolto em polêmicas o rodízio de jogadores vem cada vez mais sendo adotado pelos times no Brasil e o o princípio da utilização dessa metodologia é que justamente todo, ou boa parte, do elenco titular seja alterado quando há uma sequência de partidas ou suspensões ou lesões.

Para muitos a tática prestigia todos os atletas e em tese todos se sentem valorizados e não cria algum tipo de vaidade dentro do grupo.

Do mesmo modo, na sua empresa ou setor, todos tem de ter a possibilidade de crescimento dentro da organização.

Qualquer funcionário pode chegar ao topo da empresa, sempre deve haver uma possibilidade de subir na hierarquia de acordo com um determinado período de tempo e méritos.

A melhor métrica é a performance.

Se alguém não joga bem, anda na contramão de qualquer imagem positiva externa ou interna, triste mas uma grande verdade.

Esse ponto de equilíbrio é a chave para o sucesso: o primeiro ponto é o desempenho, o segundo é a imagem, dois grandes exemplos do que estamos falando são Lionel Messi e Cristiano Ronaldo, que estão jogando no ápice e trabalhando suas imagens ao mesmo tempo.

Dentro das empresas, é possível ver os funcionários da mesma maneira, é necessário entregar resultados antes de qualquer coisa.

Seja um líder consultivo.

Ninguém gosta de apenas receber ordens, isso vale para o esporte e vale para a realidade corporativa.

É fato que muitos técnicos além de consultarem sua equipe técnica, procuram ouvir sempre seus jogadores, porque os jogadores, melhor do que ninguém conhecem as dificuldades de estar em campo melhor do que alguém que está do lado de fora.

Mas a decisão final sobre a estratégia tem que ser sempre do técnico.

Quanto mais poder, autonomia, recebem seus agentes de suporte, Help Desk, para tomar decisões, mais fácil será para eles, resolverem os problemas de sua clientela.

Tal qual o treinador de futebol, a figura do gestor é sinônimo de referência para o seu time, seja positiva, seja negativa e muitas vezes, o desempenho dos funcionários está atrelado ao modo de liderança do seu gestor, isso é quase que sintomático.

Como vimos o futebol é muito mais do que um simples esporte ou paixão nacional, é também uma fonte de inspiração para todos os campos da atividade humana.

Você também é um(a) apaixonado(a) por futebol? Que outras lições você acha que podemos retirar do futebol? Compartilhe conosco!