Seja um ímã de bons profissionais de TI com essas dicas de contratação!

Verdade seja dita: uma empresa sem pessoas, sem uma equipe de excelência, seja qual for o seu mister, não é nada!

E para formar um time campeão você terá de contratar os melhores profissionais, sendo assim, ter e reter os melhores talentos é fundamental para o sucesso do seu negócio.

E em um setor como é o de TI; os desafios se tornam maiores já que além de ter de lidar com as grandes mudanças da tecnologia no local de trabalho, também é preciso em um ramo cada vez mais especializado, tentar adivinhar quais habilidades ou atributos os trabalhadores de TI devem ter na hora de contratar.

Isso é um desafio particularmente grande se você estiver encarregado de contratar os membros da equipe de TI que a sua companhia vai precisar ao longo da próxima década.

Por isso, talvez estas 5 dicas sejam de grande utilidade na hora de contratar os melhores profissionais de TI para sua empresa:

1. O que se sabe versus como se aprende, faça sua aposta!

Se há uma área profissional que tem de lidar constantemente com mudanças, essa é a TI, e justamente pelo fato do futuro da TI ser sempre uma incógnita, não é possível saber quais habilidades e conhecimentos serão necessários no futuro.

Empresas que se esforçarem para entender como um candidato espera expandir seu conjunto de habilidades e de modo proativo, farão um bom negócio.

A área da tecnologia da informação é muito abrangente e possui diversas ramificações.

E embora ninguém seja obrigado a saber de tudo é de extrema importância que o candidato ao menos carregue consigo o gérmen da curiosidade, possa ser capaz de aprender no processo, por si ou com ajuda da organização.

Por isso não se atente apenas à instituição que o entrevistado estudou, mas observe também o seu engajamento com a área profissional, sua vontade de aprender e evoluir.

Faça perguntas para descobrir se ele(a) sabe procurar conhecimento online, costuma usar as opções aliadas dos autodidatas, como livros e recursos online, pedido para participar de conferências, ou se preferem aprender em salas de aula tradicionais de centros de treinamento ou faculdades.

Jamais duvide do poder do autodidatismo e da proatividade!

2. Não foque apenas no currículo.

Analise se o(a) candidato(a) possui uma conta no LinkedIn ou em outras redes sociais (as principais pelo menos), como elas são administradas, seus conteúdos e qual o perfil dos amigos que ele possui nessas redes.

Atente-se à sua autodescrição e em suas realizações, desde hobbies até grandes experiências pessoais e/ou profissionais.

3. “O apressado come cru”: não tenhamos pressa, mas também não percamos tempo!

O dito popular combinado com a célebre frase do escritor lusitano José Saramago nos lembram acima de tudo que é importante fazer um planejamento com antecedência de quais profissionais sua empresa precisa.

Qual o salário e os benefícios que a empresa poderá oferecer, como será feito o recrutamento e quais canais serão utilizados para encontrar o talento ideal.

Por mais que sua empresa necessite daquele profissional específico, tenha em mente que achar bons funcionários leva tempo, ter uma boa rede de contatos e muita, mas muita disposição para negociar salários e benefícios.

Isso porque existem milhares de empresas disputando com você os mesmos talentos e oferecendo os mesmos benefícios — senão melhores.

4. Ignore o fator idade e contrate as melhores pessoas

Evite cair nos estereótipos, fuja dos extremos, evite focar no espectro idade/experiência. Se preocupe em buscar o melhor candidato para o cargo.

Se por um lado (de acordo com os estereótipos) trabalhadores mais velhos são muitas vezes vistos como menos adaptáveis às mudanças que acontecem em TI, de outro os chamados millennials sã vistos como flexíveis, criativos, mas também arredios à hierarquia.

Também são vistos como um mau investimento, porque trocam de emprego e de empresa com mais frequência do que os trabalhadores mais velhos.

Deve-se com certeza ter ciência desses potenciais problemas, mas não se deve de modo algum presumir que serão uma realidade para todos os candidatos.

5. Use sua rede de contato

Valer-se de sua rede de contatos para encontrar talentos ainda continua sendo uma boa alternativa.

Dos colaboradores colaboradores, passando pelos clientes, fornecedores e até mesmo parceiros, vale muito a pena ficar atento(a).

Peça para recomendarem profissionais com quem já tenham trabalhado antes ou em quem confiem e que estejam disponíveis no mercado.

Profissionais de TI são bem ativos, participam de fóruns, redes sociais (LinkedIn, por exemplo), comunidades na internet, eventos e encontros de tecnologia.

Apostar na sua rede de contatos pode inclusive reduzir seus custos com recrutamento e criará um funil por onde os indicados já passaram, afinal foram criteriosamente selecionados pelos seus contatos.

Pense o seguinte: você indicaria um profissional ruim, para algum contato de confiança seu?

6. Comunicação entre o setor e o RH

Se por outro lado sua empresa contará com a ajuda do RH (seja interno, seja contratado) é necessário que a contratação seja muito bem planejada.

E para que isso ocorra, o setor ou empresa que necessita do novo funcionário deverá passar para o setor de Recursos Humanos todos os requisitos e atribuições do cargo, bem como, os benefícios, e a vaga por fim, será anunciada e aí é confiar na expertise dos recrutadores.

7. Ao melhor estilo Bela Gil: Que tal substituir entrevistas longas e tediosas por testes práticos?

A maior parte das empresas empregam a entrevista formal como um recurso de recolhimento de dados, para contratar profissionais e geralmente nas entrevistas, é muito comum os(as) candidatos(as) parecem mais capacitados do que realmente são.

Currículos e habilidades e experiências impecáveis podem esconder uma pessoa que não sabe lidar com pressão, baixa iniciativa e proatividade em muitos casos alguns acabam ficando muito aquém da expectativa quando precisam gerar resultado para a empresa.

Por isso, para fugir desse tipo de cilada, execute testes práticos.

Dê um problema para o profissional resolver, aplique provas e avalie se ele realmente domina aquela habilidade que sua empresa precisa antes da contratação final.

Dessa forma, você evitará problemas e o teste prático funcionará como um funil de seleção.

Para você, como tem sido a experiência de recrutar e contratar novos colaboradores? Compartilhe conosco!